Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos

primeiro curso de difusão do iau - entrega de certificados

 cartaz-taipa-japonesa ccex web2

- dia 23.04.2014, às 17:00 horas, no Auditório Paulo de Camargo e Almeida (IAU), acontece a cerimônia de entrega dos certificados de participação no primeiro Curso de Difusão do IAU.

 

É com grande satisfação que a Comissão de Cultura e Extensão Universitária (CCEx), do Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos (IAU/USP), convida toda a comunidade do Instituto, e demais interessados, para a cerimônia de entrega dos certificados de participação no Primeiro Curso de Extensão, na modalidade Difusão, intitulado: “Canteiro Escola: Taipa Japonesa [Tsuchikabe]”, realizado pelo IAU, em 2013. 

 

O curso foi organizado pelo Grupo de Pesquisa HABIS, do IAU/USP, e recebeu apoio financeiro da Fundação Japão, que viabilizou a vinda dos mestres japoneses Kinzo Nakao e Shinya Yamada, doTajima Technical Institute. Com duas semanas de duração e participação de mais de 30 alunos, o curso destacou os aspectos científicos do tsuchikabe, bem como a importância de se conhecer os materiais construtivos e a necessidade de se compreender todo o processo de organização e produção dessa técnica construtiva.

Ao longo do curso, o cuidado e entusiasmo que tiveram os mestres japoneses ao transmitir seus conhecimentos foi um diferencial. E para os participantes, que demonstraram imenso respeito pelos mestres e autonomia na conclusão do curso, a experiência de construir o tsuchikabe, que traz em sua técnica séculos de aprimoramentos, fez surgir reflexões positivas no âmbito de se qualificar, tanto na teoria como na prática, a técnica da taipa de mão (pau-a-pique), ainda muito utilizada no meio rural brasileiro.

Devido à existência de uma grande diversidade de fibras vegetais e de espécies de bambu e madeira no nosso país, temos à frente um interessante campo de investigação em aberto, que se apresenta também enquanto desafio: buscar alternativas e soluções para aprimorar a técnica da taipa de mão no Brasil, que sendo tão antiga, pode ser aperfeiçoada e valorizada como uma opção construtiva de excelente qualidade.