Vandalismo destrói patrimônio arquitetônico em São Paulo

 vandalismo-portuguesa-desportos web

_ O Conjunto Aquático da Associação Portuguesa de Desportos, na cidade de São Paulo, projeto de Vilanova Artigas em colaboração com Carlos Cascaldi, de 1962 (do qual só foram construídas as piscinas, a arquibancada, os vestiários e a escultural torre de saltos), foi destruído por uma ação ilegal de demolição perpetrada pela atual diretoria da Associação, que pretende transformar essa área do clube num "camelódromo".

Segundo informações da imprensa, nos meses de maio e junho maquinas escavadeiras demoliram as quatro piscinas, junto com a torre de saltos, e a arquibancada de 130 metros, inauguradas em 1965. A obra foi embargada por falta de alvará de demolição pela Prefeitura no mês de junho, porém já praticamente tudo estava destruído. Ainda com o embargo, as obras de demolição e aterro continuaram e o clube foi multado com sansões que chegam aos R$ 463.000. A presidência atual pretende recorrer das multas e persiste na ideia de implantar a feira de ambulantes.

No ano do centenário do nascimento de Artigas, 2015, o Museu Histórico da Portuguesa tinha realizado uma importante ação para lembrar a obra de Artigas. Em 2016 promoveu um movimento para tombar o complexo, que não prosperou. Neste ano, um grupo de sócios voltou ao assunto do tombamento do conjunto, mas já era tarde, a demolição começou na sequência do recolhimento de assinaturas para um abaixo assinado. Segundo a revista, o grupo foi pego de surpresa com a demolição do patrimônio arquitetônico do clube, que também deveria ter sido reconhecido como patrimônio da cidade.

anexo