Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos

PRCEU/USP premia dois projetos de empreededorismo social do IAU

Empreendedorismo-social-2019--edital

A valorização da interação entre universidade e sociedade tem sido uma preocupação prioritária na Universidade de São Paulo (USP). Prova disso foi o edital Empreendedorismo Social 2019, de iniciativa da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão (PRCEU/USP), lançado no começo deste ano, e que dará auxílio financeiro de R$25 mil a projetos de empreendedorismo social.

Ao todo, 171 projetos foram inscritos no edital supracitado, e somente 32 foram contemplados, sendo dois deles do Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU/USP).

Fortalecendo o ensino e práticas nos assentamentos rurais

O assentamento rural "Mário Lago", localizado no município de Ribeirão Preto (SP), já existe há 15 anos. Em 2017, a mestranda do IAU/USP, Iole Almança de Morais, iniciou sua pesquisa de mestrado, e escolheu o assentamento como objeto de estudo. "Há outros quatro alunos de graduação do IAU que também falarão sobre esse assentamento em suas pesquisas, e um de nossos desejos é criar uma escola lá, já prometida há muitos anos para a comunidade", conta. "Nosso projeto visará também trazer a capacitação dos alunos para realizar projetos de forma participativa, e que dialoguem com a realidade de um assentamento rural".

De acordo com Iole, a construção da escola no assentamento foi uma promessa feita pela prefeitura de Ribeirão Preto, que nunca saiu do papel. "Queremos que nosso projeto também traga um esclarecimento sobre essa situação", afirma.

O projeto envolverá outros alunos do IAU, tanto de graduação quanto de pós-graduação, e a verba adquirida através da PRCEU será utilizada, entre outras coisas, para a realização de viagens didáticas ao local. "Além disso, conseguiremos adquirir um drone, e poderemos aplicar essa tecnologia para pesquisa em assentamentos rurais, utilizando-o para fazer levantamentos nessas áreas que, normalmente, são muito grandes", explica a pesquisadora.

O projeto durará um ano, de julho de 2019 a julho de 2020. "Caso não consigamos finalizar o projeto da escola formal, de 1ª a 4ª série, vamos trabalhar num formato de escola técnica, voltada a agricultores, e vinculada ao patrimônio imaterial que tem no assentamento rural", elucida Iole.

Viver a cidade e oficinas urbanas

O projeto "Cartilha da Cidade ", proposto por Miguel Antonio Buzzar, docente e atual diretor do IAU, teve como um de seus objetivos produzir, em linguagem acessível ao grande público, um material que explicitasse o funcionamento das cidades, suas redes de infraestrutura, e que também, progressivamente, abordasse outros tópicos relacionados à cidade. "O caráter da cartilha era formador para os alunos, principalmente de escolas públicas, terem acesso à compreensão de como funciona a cidade", explica Miguel.

Implantado em 2016, o Cartilha da Cidade, viabilizado também graças ao Programa Unificado de Bolsas (PUB/USP), começou a ser apresentado nas escolas através das chamadas Oficinas Urbanas, sendo que em cada oficina um tópico diferente era abordado: energia elétrica, mobilidade urbana, água e esgoto etc. "No decorrer das oficinas, fomos aperfeiçoando seu desenvolvimento, que culminou com a formação do jogo Agentes Urbanos: cidade participativa, inspirado no jogo A paz mundial, do professor John Hurt. A proposta de nosso jogo, que adaptamos da proposta de Hurt, é incitar a reflexão dos participantes para situações urbanas comumente encontradas nas cidades. Isso nas oficinas mostrou-se muito dinâmico, pois as crianças passam a reconhecer determinadas situações urbanas, mas também como os equipamentos, o território e os agentes urbanos interagem", elucida o docente.

Através da verba adquirida no edital Empreendedorismo Social, Miguel conta que o plano é aperfeiçoar as várias versões do jogo. "Já fizemos versões para creches, ensino fundamental, médio e superior, inclusive envolvendo docentes de arquitetura e urbanismo que trabalham com planejamento urbano", conta. "Essas versões são preliminares e pretendemos, de fato, melhorá-las e torna-las próprias para que outras pessoas, não necessariamente envolvidas no projeto, possam aplica-las".

Em breve, o site Cartilha da Cidade deverá ser lançado e nele será possível fazer o download das versões dos jogos.

Para acessar a proposta do projeto Fortalecendo o ensino e práticas nos assentamentos rurais enviada à PRCEU, clique aqui.

Para acessar a proposta do projeto Viver a cidade e oficinas urbanas enviada à PRCEU, clique aqui.

Para saber quais outros projetos foram contemplados no edital, clique aqui.