Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Carlos

Ciclo Diálogos Brasil_Uruguay

dialogos-brasil-uruguai web

Arquitetura, Cidade e Território:
  construções históricas e problemas historiográficos

período de realização: Todas as quintas-feiras de julho de 2021 – 01, 08, 15, 22, 29, das 18 às 20h30
transmissão: youtube.com/iauusp

O ciclo de debates foi concebido em torno de problemas de historiografia, principalmente da história urbana, agregando os campos da Arquitetura e do Urbanismo na construção em diálogos com outros campos disciplinares, que também tomam a cidade e o território como campos de análise, com a possibilidade de tratar a temporalidade das pesquisas dos participantes que estudam o século XX, seja na história de longa duração, seja em períodos bem específicos. Neste sentido, destacam-se temas que contém problemas complexos recaindo nas formas de interpretação vinculadas a visões da realidade e caminhos metodológicos que se conectam, ou por vezes se chocam, promovendo novos enfoques.

Esta perspectiva de diálogos interdisciplinares entre pesquisadores e pesquisadoras do Brasil e do Uruguay resultou num conjunto de 5 temas. Um tema central do ciclo de debates é o questionamento sobre como se escreve a história da Cidade e do Urbanismo em ambos os países, tendo em vista a diversidade de escala em relação ao âmbito universitário e às dimensões e diferentes complexidades nacionais.

Sobre o tema da habitação, o interesse se detém na história das políticas estatais de produção habitacional, a tangência entre os dois países em relação à trajetória das propostas tecnológicas para a construção e das ideias de ajuda mútua, nucleadas na FUCVAM (Federación Uruguaya de Cooperativas de Vivienda por Ayuda Mutua) e sua recepção no Brasil. Ademais, propomos a reflexão sobre os tipos de edifícios em relação com a habitação social desde o início do século XX até nossos dias e os problemas historiográficos gerados segundo as tipologias trabalhadas, que atravessam os campos político-culturais (como estratégias de pesquisa) e as tecnologias artesanais (que podem ser abordados tanto do ponto de vista do cooperativismo e da genealogia da atuação dos atores, como grupos católicos, quanto a partir da visão crítica, como a construção da comunidade).

Articulado aos dois primeiros temas, o terceiro trata de abordar a trajetória de diferentes culturas técnicas e professionais, assim como de instituições do Urbanismo no Brasil e no Uruguay, destacando que, para ambos, a década de 1950 representa um marco na construção de um campo de ação e formação, a partir da universidade, de um perfil técnico do urbanista no interior do Estado, seja na promoção de organismos públicos para o planejamento urbano, seja na compreensão do papel do município nesse processo.

Com o objetivo de problematizar esses três primeiros temas e sua trajetória de construção historiográfica, o quarto tema introduz novos enfoques críticos do ponto de vista dos estudos de classe, gênero e étnico-raciais, que ampliam os componentes narrativos da história da Cidade e do Urbanismo em ambos os países.

O quinto tema, de caráter analítico e com orientação propositiva, aborda a análise crítica sobre desenvolvimento, território e ambiente, com o objetivo de explorar enfoques contemporâneos sobre planejamento territorial como a macrocefalia, os sistemas urbanos e metropolitanos, bem como a atuação das grandes corporações promotoras de desastres ambientais. Além disso, é importante considerar a sempre presente dicotomia campo/cidade e, ante a pandemia da Covid-19, recolocar a urgência da discussão sobre a desconcentração metropolitana, buscando chaves para entender o modelo de desenvolvimento implantado durante o século XX, gerador de desigualdade com intensa expressão no território, buscando apontar perspectivas de transformação no marco democrático.

ver texto completo com sessões e participantes

 dialogos-brasil-uruguai cartaz web

 

Urbanicidades 2021 - Série Cidades Brasileiras

 Urbanicidades-2021 web

_ O Urbanicidades dá continuidade em abril de 2021 a nossa série temática de três ciclos semestrais de cinema intitulada "Cidades brasileiras: narrativas, imaginários e limiaridades". A proposta da série é apresentar curtas, filmes e documentários que abordem culturas urbanas regionais brasileiras a partir de seus próprios registros cinematográficos. Para a seleção das películas, a curadoria considerou o retrato da produção e das representações do imaginário da cidade e de seus territórios culturais no Brasil.

Neste semestre, o tema do Urbanicidades será "Patrimônio Cultural e Ambiental de Minas Gerais", que será apresentado em três sessões. Na primeira sessão do ciclo discutiremos sobre o patrimônio ambiental a partir das consequências causadas pelo rompimento da barragem de Mariana e da Mina do Córrego do Feijão ("Quando a Terra Treme" e "Vale uma aldeia?"). Na segunda sessão do ciclo vamos debater sobre as transformações da cidade histórica de Tiradentes e da luta de seus moradores pela preservação do seu patrimônio cultural ("Alma da Cidade"). Na terceira sessão do ciclo serão debatidas questões acerca da composição do patrimônio cultural a partir de aspectos simbólicos relacionados ao legado de Chico Rei e da resistência negra na conformação da cidade de Ouro Preto ("Chico Rei entre nós"). Cada sessão oferece a exibição da película seguida de um debate com nossos convidados.

Serão oferecidos certificados de participação para aqueles que estiverem presentes em duas das três sessões do ciclo.

Sessão 3, de 02/06/2021:

urbanicidades-2021 Sessao3-CARTAZ web


Sessão 2, de 15/05/2021:

 SESSAO-02-CARTAZ web


Sessão 1, de 28/04/2021:

SESSAO-01 web

 

Sessões 1 a 3:

Urbanicidades-2021 CARTAZ-GERAL web

Chamada de trabalhos para a Edição Temática da Revista Risco sobre Jorge Caron

risco jorge-caron  web

_ A Revista Risco lança chamada para artigos que serão publicados em sua Edição Temática dedicada ao arquiteto Jorge Caron (1936-2000).

Profissional polivalente – arquiteto, designer, cenógrafo, artista plástico, educador – Caron, assim como outros arquitetos da geração pós-Brasília, teve produção significativa e relevante e ainda tem sua obra pouco estudada. É assim que a Edição Temática da Risco pretende divulgar parte de sua produção, de escritos a desenhos e projetos, reunindo textos e depoimentos de colaboradores das mais diversas áreas, para a qual convidamos estudiosos e pesquisadores da Arquitetura brasileira que enviem seus trabalhos.

Como parte das comemorações do biênio 2020-2021, que celebra os 10 anos do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP, 35 anos do seu curso de graduação e 50 anos do seu programa de pós-graduação, o IAU-USP realizou em agosto de 2020 o "Colóquio Arquiteto Jorge Osvaldo Caron", que permitiu a revisão de seu perfil profissional interdisciplinar, bem como seu legado amplo e diverso, ao rememorá-lo nos 20 anos de seu falecimento. Dando continuidade aos trabalhos, depoimentos e reflexões que então foram apresentados por ex-colegas, ex-alunos e pesquisadores, a Edição Temática da Revista Risco sobre Caron pretende não apenas se debruçar sobre sua produção múltipla, mas também situá-la no contexto cultural e político dos anos 1960 a 2000, contrapondo-a a outras produções nos campos da Arquitetura e do Urbanismo e de seu ensino, como também em relação à cenografia e às artes plásticas.

O experimentalismo foi característica presente nos múltiplos projetos de Caron, em seus figurinos e cenários, nas suas soluções construtivas, no design de objetos e mobiliário, em suas residências e, em especial, no projeto da Torre da TV Cultura na cidade de São Paulo, importante marco na paisagem paulistana, além do monumento ao ex-combatente instalado na Praça Carlos Gardel, próximo ao Parque do Ibirapuera, também na cidade de São Paulo. Em sua atuação político-cultural junto a instituições profissionais, em especial o Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas do Estado de São Paulo, Caron dedicará parte importante de sua trajetória profissional ao ensino de Arquitetura e Urbanismo, tendo se destacado como idealizador de experiência pedagógica inovadora na formação de arquitetos e urbanistas, como no curso que criou junto à Faculdade de Belas Artes de São Paulo, no período 1979-1984.

Parte da Edição Temática, cujo lançamento está previsto para o primeiro quadrimestre de 2022, consistirá na reunião de textos e projetos de Caron, publicados em revistas, jornais e boletins, além de material inédito de seu acervo, que está sob os cuidados da Biblioteca do IAU-USP. Outra parte consistirá em depoimentos e ensaios apresentados durante o Colóquio de agosto de 2020. Das contribuições esperam-se estudos e reflexões acerca da produção arquitetônica do período histórico vivenciado pelo arquiteto, buscando-se a construção de um quadro que contribua para contextualizar sua obra, contemplando diálogos, conflitos e debates ao longo de sua trajetória.

Da produção de Caron, pretendemos publicar uma pequena coletânea de seus textos, projetos de arquitetura, de cenografia e figurino, de mobiliário, o plano do campus universitário da Unesp em Botucatu, desenhos, gravuras e pinturas. Também serão incluídos depoimentos e artigos sobre aspectos da trajetória profissional de Caron escritos por participantes do Colóquio. Além de artigos sobre a trajetória profissional de Caron e seu contexto político-cultural, objetos desta chamada, resenhas de livros sobre outros arquitetos do período serão bem-vindos.

Com a Edição Temática da Revista Risco sobre Jorge Caron espera-se não apenas a divulgação de sua obra, suscitando novos estudos a respeito, mas também a divulgação de estudos e pesquisas em andamento ou já concluídos, de modo a colocar em evidência um arquiteto, urbanista e professor com uma trajetória profissional ímpar e criativa, engajada politicamente em uma perspectiva crítica, humanista e transformadora.

Data limite para envio de artigos conforme as normas da Revista Risco:
30 de junho de 2021

Amanda Saba Ruggiero e Carlos Roberto M. de Andrade – Editores Associados da Edição Temática da Revista Risco sobre Jorge Caron
São Carlos, 29 de março de 2021.

cartaz 1
cartaz 2